Notícias

Artigos Relacionados

|||

INTEROPERABILIDADE DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO NA MODERNIZAÇÃO DA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA - PARTE II

Nos dias de hoje, existe uma necessidade premente, por parte de todas as pessoas, de ter acesso à informação de uma forma rápida, fácil e controlada. Esta mudança de paradigma faz-se reflectir inclusive na administração pública, pois cada vez mais o cidadão tem menos tempo para despender em deslocações às instituições.

Soluções propostas para integração dos sistemas

São desejadas características como:

  • Facilidade, para oferecer o uso de múltiplos sistemas integrados ao utilizador de forma implícita;
  • Transparência, para esconder os detalhes técnicos das soluções utilizadas para integração;
  • Aplicabilidade, com soluções que suportam um grande número de cenários de sistemas;
  • Confiabilidade, para lidar com falhas das outras aplicações que foram integradas.

Todas proporcionam à infraestrutura de sistemas a capacidade de transformar e agregar informações, além de redirecioná-las em função do seu conteúdo e garantir que a comunicação ocorra sempre com máxima eficiência, independente das características particulares dos sistemas envolvidos.

A capacidade de reduzir a distância entre facilitar as decisões de alto nível dos processos de negócio e resolver os problemas técnicos pode ser o mais importante factor de sucesso para integração.

Diversas ferramentas e tecnologias estão disponíveis no mercado para ajudar a resolver a complexa tarefa que é integrar sistemas diferentes. Suítes para integração de sistemas de informação oferecem mecanismos proprietários para troca de mensagens, enriquecidos com ferramentas de gestão de metadados

A forte aderência a padrões abertos já adotados pelo mercado implica geralmente soluções fáceis de manter e adaptar às necessidades. A larga adopção de XML como o padrão para troca de dados e documentos entre sistemas permite uma camada de representação abstrata de dados, aceita globalmente e padronizada como referencia de troca de dados.

Arquitectura de interoperabilidade

Por que a interoperabilidade é um grande problema nas arquitecturas e estruturas de software? Na perspectiva de uma plataforma ou sistema de software o mesmo foi desenhado e desenvolvido para fornecer funcionalidades especificas de negócio com interfaces bem definidos.

InteroperabilidadeA interoperabilidade, recorrendo à troca de informação entre sistemas de informação, representa uma das opções, com mais expansão no contexto dos sistemas de informação. Cada vez mais, é objectivo das organizações abrirem novos canais de acesso e interoperabilidade com outras organizações, optimizando processos de negócio, e representando uma rentabilidade a curto prazo.

A SOA (arquitectura orientada a serviços) é um conceito poderoso, que tem envolvido as maiores organizações de TI (tecnologias de informação), e que permite a estruturação da comunicação entre aplicações multi-organizacionais e entre utilizações e aplicações.

A SOA permite que a interoperabilidade entre as organizações seja possível de forma controlada e independente, e como é baseada em standards, torna-se universal.

As arquitecturas SOA colocam a prestação de serviços no centro do negócio, dando destaque à gestão de serviços e à entidade a servir, ou seja, dando destaque ao negócio e não à tecnologia.

Neste tipo de arquitecturas as aplicações expõem funcionalidades de negócio como serviços que podem ser acedidos por uma outra aplicação, interna ou externa à organização.

Os serviços disponibilizados devem ser utilizados como componentes para a criação de novas aplicações e serviços, facilitando a criação e alteração de serviços e processos de negócio. Para tal os serviços devem ser publicados num repositório comum e acessível aos consumidores, permitindo obter a descrição e a definição do serviço, assim como o local onde o mesmo se encontra disponível

Os webservices representam um grande passo na arquitectura orientada a serviços, permitindo que as organizações da administração pública comuniquem entre elas de uma forma controlada e gerível.

Desta forma, torna-se possível que processos multi-organização possam ser definidos, sem que se façam alterações aos sistemas de informação das organizações envolvidas.

Um dos grandes desafios para a implementação de serviços de governo eletrónico é a implementação de soluções de TI integradas e interoperáveis, tanto no âmbito da própria instituição quanto com soluções de outros órgãos e instituições.

Uma das possíveis soluções para ultrapassar estas dificuldades é a definição e adoção de uma arquitetura de interoperabilidade, com a especificação dos padrões a serem adotados de forma a estabelecer condições para integração entre os sistemas e tecnologias de informação destes órgãos e instituições públicas.

Desta forma deverá ser igualmente abordada a Interoperabilidade Semântica, proporcionando através de um modelo de dados canónico a normalização de conceitos dentro da plataforma e a disponibilização de um Catálogo de Serviços com o conjunto de serviços canónicos que podem ser consumidos pelos sistemas com os quais integra

Entende-se por serviço canónico, a representação e disponibilização de um serviço electrónico no Catálogo de Serviços. Dado que é descrito e possui metadados de contexto técnico e funcional, permitirá que outras entidades tenham acesso aos dados necessários à sua utilização e consumo

Cada Entidade que pretenda utilizar um serviço electrónico definirá o mapeamento entre o seu formato interno e o formato constante no catálogo

Considerações Finais

Atualmente, integração é um assunto prioritário no sector privado assim como no publico, no entanto ainda se trata de um tema muito delicado, pois requer quebra de paradigmas.

Soluções de integração, são sistemas complexas que tratam muitas tecnologias e níveis de abstração diferentes. Diante da diversidade dos problemas expostos, fica evidente que a tarefa de fornecer integração e interoperabilidade é muito complexa, principalmente devido aos inúmeros entraves existentes. 

A interoperabilidade apresenta-se assim, como uma peça central na Modernização Administrativa, tendo em vista a implementação de uma arquitectura orientada a serviços por parte da Administração Publica, contribuindo para a:

Melhoria da eficiência, designadamente com:

  • Simplificação/automatização de processos, reduzindo tempos de atendimento e processamento;
  • Aumento da celeridade e disponibilidade da informação;
  • Aumento da qualidade da informação, podendo contribuir para a redução de custos associados a processos diversos gerados pela má qualidade dos dados;
  • Melhoria da experiência para o cidadão, resultante da maior comodidade e rapidez de cada interacção.

Melhoria da eficácia e/ou qualidade dos serviços, designadamente com:

  • Aumento da transparência e segurança das transacções;
  • Reforço de imagem inovadora por parte do governo; 

Redução de Custos nomeadamente através:

  • Capacidade de reutilização de serviços por todas as entidades;
  • Disponibilização de ferramentas que agilizam a implementação de novos serviços;
  • Redução das necessidades de comunicações, pela ligação à Plataforma de Interoperabilidade uma só vez, possibilitando a interacção com todos os organismos públicos.
INDO ALÉM DE PALAVRAS-PASSE E DA AUTENTICAÇÃO MULTIFATOR. SOLUÇÃO STEALTH (IDENTITY) UNISYS - PARTE II

INDO ALÉM DE PALAVRAS-PASSE E DA AUTENTICAÇÃO MULTIFATOR. SOLUÇÃO STEALTH (IDENTITY) UNISYS - PARTE II

As palavras-passe estão em todo o lado. Nos complexos ambientes de TI dos nossos dias, cada aplicação, sítio da internet, dispositivo ou nível de acesso precisam de pelo menos uma. Como a tecnologia avançará, otimizando o tempo, mantendo a segurança e facilitando o o dia-a-dia do usuário?

+
GOVERNAÇÃO ELETRÓNICA – eGov, A ETAPA MAIS IMPORTANTE PARA UMA GESTÃO EFICAZ!

GOVERNAÇÃO ELETRÓNICA – eGov, A ETAPA MAIS IMPORTANTE PARA UMA GESTÃO EFICAZ!

A implementação de uma estratégia coerente de desenvolvimento de um país dependerá essencialmente da introdução de novos mecanismos, práticas de administração e governo a nível nacional, regional e municipal, suportados por plataformas digitais e tecnologias de informação que contribuam para uma gestão mais eficaz, eficiente, com menores custos operacionais, centrada no cidadão.

+